domingo, 13 de maio de 2012

A mãe da gente

"Não gosto de escrever sobre ou em datas especiais, mas desta vez falo da singular criatura que é a mãe da gente, e dessa mais singular ainda relação entre nós e ela. Entre ela e nós? Há discrepâncias iniciais: o que sentimos e pensamos não coincide, em geral,  com o que ela sente e pensa. Um dos dramas humanos é a distância entre a intenção de quem disse a apalavra ou fez o gesto, o olhar, a quem os recebeu e tantas vezes interpretou erradamente, guardando mágoas dos quais o causador nunca teve a menor ideia, muito menos intenção.
      A intensidade com que sentimos e cultura caracterizam e oneram as relações humanas, sobretudo essa, de mães e filhos, pode ser pungente. Algumas brincadeiras bobas não são tão bobas: " mãe de menos, fica revoltado". Peso excessivo se coloca sobre os ombros de mãe, e de pai também. Se uma boa família, isto é, razoavelmente saudável, em que corra maias forte o rio o rio da alegria e do afeto do que o da frieza e do rancor, tende a produzir indivíduos emocionalmente mais saudáveis, a regra tem muitas exceções.  Boas famílias podem conter filhos neuróticos, violentos, drogados, e famílias disfuncionais podem produzir gente equilibrada, positiva e produtiva.
      Partindo do princípio de que relações são complicadas, ter um filho ( a mais incrível experiência humana) , ter de (ou querer) criá-lo para que seja feliz ( seja lá o que isso significa), cuidar de sua saúde, seu desenvolvimento,  dar-lhe afeto, bom ambiente,  encontrar o dificílimo equilíbrio entre vigiar (pois quem ama cuida) e liberar ( para que se desenvolva), é tarefa gigantesca. Que a mais simples mãe do mundo pode realizar sem se dar conta, e na qual a mais sofisticada mãe pode falhar de maneira estrondosa, dando-se conta disso, ou jamais pensando nisso.
      Nesse universo de contradições, pressões, exigências, variedades e ansiedade em que andamos metidos,  qualquer tarefa fica mais difícil, que dirá a de manter, concreta e emocionalmente, uma família numa relação boa dentro do possível. Os compromissos de pai e de mãe se avolumam, as necessidades e exigências de filhos e filhas se multiplicam, as ofertas se abrem como bocas devoradoras, o stress, a pressa, a multiplicidade de tudo, nos deixam pouco tempo físico para  conviver com a alegria ou escutar com atenção, e pouca disponibilidade psíquica: também pais e mães estão aflitos.
      Se antes o pai chegava em casa à  noite, cansado, querendo jantar, ler o jornal, olhar um pouco os filhos e a mulher descansar, hoje chegam exaustos os dois: a mãe, além disso, pela constituição biopsíquica com que a dotou a mãe natureza (para a preservação da espécie), e pela culpa que a nossa cultura impõe (ou é uma culpa natural e inevitável), chega duplamente sobrecarregada. Incluam-se aqui as tarefas que parecem banais, como olhar roupa, comida,  questões escolares dos filhos, embora hoje uma parcela crescente de pais tenha entendido que, não sendo retardados nem deficientes físicos,  ( ou mesmo sendo), podem assumir e curtir esses pequenos grandes trabalhos. 
      A mãe da gente é aquela que nos controla e assim nos salva e nos atormenta: e nos aguenta mesmo quando estamos mal-humorados, exigentes e chatos,  mas também algumas vezes perde a calma e grita, ou chora. Mãe da gente é aquela que nos oprime e nos alivia por estar ali; nos cuida, às vezes demais, e se não cuida a gente faz bobagem; é a se queixa de que lhe damos pouca bola, não ligamos para seus esforços,e, mais tarde, de que quase não as visitamos; é aquela que só dorme quando sabe que a gente está em casa, e chegou bem; a que levanta da cama altas horas para pegar a gente numa festa quando o pai não está ou não existe. ou já fez isso vezes demais.
      A mãe da gente é o mais inevitável, inefugível, amável, às vezes exasperante e carente ser que, seja qual for a nossa idade, país, etnia ou classe social ou cultura, nos fará a mais dramática e pungente falta quando um dia nos dermos conta de que já não temos ninguém a quem chamar de mãe."
 Lia Luft - Revista Veja
**********
Neste domingo especial não poderia deixar de falar sobre ela: Mãe.
Fui remetida para o colo de minha mãe com esse texto, e  felizmente, ainda a tenho por aqui.
Desejo que cada um de vocês, mesmo àqueles que já não têm sua mãe por perto, que a tomem no coração e façam uma grande reverência à ela. Afinal, a nossa vida existe graças à ela e ao nosso pai. Sem eles não existiríamos...e isso já é uma grande dádiva...independentemente  de como vivem ou viveram-um dia eles se amaram e nos fizeram.
Quando já tentamos de tudo em nossa vida e mesmo assim não conseguimos resultados, resta-nos a opção de beber na fonte. Nossos pais são a fonte, do jeito que eles são, não podemos mudar isso. 
Partindo do princípio que somos 50% mãe e 50% pai, se não "tomamos " nossa mãe, falta-nos 50%...e a vida fica pela metade. 
Em cada um de nós existe uma parte deles , e isto é inegável.
Um lindo domingo em homenagem a ela
Tais

5 comentários:

  1. Concordo que ter filhos e cuidar deles é uma tarefa gigantesca. è um universo de contradições...mas ter uma mãe para dizer que a ama é muito bom!
    Obrigada pela oportunidadew de ler aqui este artigo lindo!

    ResponderExcluir
  2. Me emocionou muito pela simples constatação e que, mesmo sendo mãe, tia esposa, e sendo feliz... não tenho ninguém para chamar de mãe. Senti uma solidão enorme e então, orei pela minha mãe que me deu valores que nunca vou esquecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Maria...Como não tens mãe?????
      Claro que tens...àquela que te deu a vida, e apenas não está aqui fisicamente. Reverencie-a sempre , mas com a certeza de que tens mãe sim!
      Um abraço querida e fique bem com sua mãezinha que lhe deu o bem mais precioso que tens: a vida!

      Excluir
  3. Edson Figueirinha22 de maio de 2012 07:39

    vale a pena ler este texto

    ResponderExcluir
  4. Ja li este texto umas 4 vezes. A cada leitura , compreensão de mais um pedacinho... Obrigada

    ResponderExcluir