domingo, 6 de maio de 2012

Sofro e não o porquê...



Na terapia Familiar Sistêmica, trata-se de averiguar se no sistema familiar ampliado existe alguém que esteja "emaranhado" nos destinos de membros anteriores dessa família. Isso pode ser trazido à luz através do trabalho das constelações familiares. Trazendo-se à luz os emaranhamentos, a pessoa consegue se libertar mais facilmente deles.
O que são "emaranhamentos"?
Emaranhamento significa que alguém na família retoma e revive inconscientemente  o destino de um familiar que viveu antes dele. Se, por exemplo, numa família,  uma criança foi entregue para adoção, mesmo numa geração anterior, então um membro posterior dessa família se comporta como se ele tivesse sido entregue. Sem conhecer esse emaranhamento não poderá se livrar dele. A solução segue o caminho contrário:a pessoa que foi entregue para adoção entra novamente em jogo. É colocada, por exemplo, na constelação familiar. De repente, a pessoa que foi excluída da família passa a ser uma proteção para aquela que estava identificada com ela. Quando essa pessoa volta a fazer parte do sistema familiar e é honrada, ela olha afetuosamente para os descendentes.
Obviamente existe uma consciência de grupo que influencia todos os membros do sistema familiar. A este pertencem os filhos, os pais, os avós, os irmãos dos pais e aqueles que foram substituídos por outras pessoas que se tornaram membros da família, por exemplo, parceiros anteriores (maridos ou mulheres) ou noivos(as) dos pais. Se qualquer um desses membros do grupo foi tratado injustamente, existirá neste grupo uma necessidade irresistível de compensação.Isso significa que a injustiça que foi cometida em gerações anteriores será representada e sofrida posteriormente , por alguém da família para que a ordem seja restaurada no grupo. É uma espécie de compulsão sistêmica de repetição.Mas esta forma de repetição nunca coloca nada em ordem. Aqueles que devem assumir o destino de um membro excluído da família são escolhidos e tratados injustamente pela consciência de grupo. São,  na verdade, completamente inocentes. Contudo, pode ser que aqueles que se tornaram realmente culpados, porque abandonaram ou excluíram um membro da família, por exemplo, sintam-se bem. A consciência do grupo não conhece justiça para os descendentes, mas somente para os ascendentes. Obviamente, isso tem a ver com a ordem básica dos sistemas familiares. Ela atende à lei que  aquele que pertenceu uma vez ao sistema tem o direito tem o mesmo direito de pertinência que todos os outros. Mas quando alguém é condenado ou expulso, isso significa: "Você tem menos direito de pertencer ao sistema do que eu". Essa é a  injustiça expiada através do emaranhamento, sem que as pessoas afetadas saibam disso.

Semana que vem continuarei escrevendo mais alguns assuntos elucidativos das Constelações Familiares.
Por hoje creio que o conteúdo está com muitas informações para serem processadas internamente em cada um.
Desejo uma semana com reflexões profundas acerca de seu sistema familiar e sobre as exclusões que são tão comuns em todas as famílias. Podemos olhar para isso com amor e respeito ao pertencimento a que todos temos direito. Bom dia!
Tais

4 comentários:

  1. Nossa....uma luz no final do tunel...Mas será mesmo???????? Por que um antepassado faria isso comigo? Então ele não me ama?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandra, semana que vem publicarei uma explicação sobre os emaranhamentos, onde você encontrará mais algumas respontas. Os antepassados a amam sim, e tudo que eles fazem é por amor, por querer pertencer. Se incluimos os excluídos, algo ficará em ordem. Venha conhecer as Constelações "ao vivo" e compreenderás de um outro lugar ( que não a cabeça). No coração algo penetrará em você e a deixará muito mais tranquila. Aqui ...olhe apenas como uma saída, como a luz no fim do túnel. Um abraço

      Excluir
  2. Linda postagem!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pelo alerta, temos muito para refletir.

    ResponderExcluir