domingo, 22 de março de 2015

O vínculo

"Quando o homem e a mulher se aceitam mutuamente como tais, a consumação de seu amor cria um vínculo. Esse vinculo é indissolúvel. Isto nada tem a ver com a doutrina moral da Igreja sobre a indissolubilidade do matrimônio. A realização do amor cria uma ligação, independentemente do casamento e de qualquer rito externo.

A existência de uma tal ligação é percebida pelos seus efeitos. Por exemplo, o homem que se separa levianamente de uma parceira a quem estava vinculado dessa forma pela consumação do amor, via de regra não conseguirá conservar uma segunda parceira num outro relacionamento. Pois esta percebe o seu vínculo com a parceira anterior, e não ousa tomá-lo plenamente. Quando um homem abandona uma mulher e se casa de novo, talvez sua segunda mulher se considere melhor que a primeira e diga: "Agora eu o tenho para mim". Ela entretanto o perderá. Nesse próprio triunfo o perde, pois reconhece o vínculo desse homem com a sua primeira mulher.

Então ela não o assumirá completamente. Nas constelações familiares, pode-se perceber que uma segunda mulher se distancia um pouco do homem. Ela não ousa colocar-se perto dele, pelo fato de não ser sua primeira ligação, mas a segunda.

A profundidade de um tal vínculo pode ser avaliada pelo seu efeito. A separação do primeiro amor é a mais difícil de se conseguir. É a mais dolorosa. Quando uma segunda ligação se desfaz, a dor é menor. Numa terceira, é ainda menor.

Essa ligação não é porém sinônimo de amor. O amor pode ser pequeno e o vínculo profundo. Inversamente, o amor pode ser profundo e a ligação pequena. O vínculo se origina do ato sexual. Por isto, ele também nasce de um incesto ou de um estupro. Para que mais tarde uma nova ligação seja possível, é preciso que a primeira seja corretamente resolvida. Ela é resolvida quando é reconhecida e quando é honrado o respectivo parceiro. Quem amaldiçoa o primeiro vínculo impede uma ligação ulterior.

Homens e Mulheres

Quero também dizer mais alguma coisa sobre a ordem do amor na relação do casal. Este tema nos fala mais de perto. Muitos se envergonham disso, como se fosse algo que a gente deveria ocultar. Aquilo que diferencia os homens das mulheres, que realmente os diferencia, é escondido. Ou, pode-se dizer também, é protegido. Pois é o lugar onde cada um é mais vulnerável. É o lugar próprio da vergonha. Vergonha significa, neste contexto, que eu guardo alguma coisa, para que nada de mau aconteça. E é o lugar onde nos sentimos mais entregues.



Alguns falam depreciativamente do instinto sexual e esquecem que ele é a força real e mais profunda, que tudo mantém unido e dirige, que toma cada pessoa a seu serviço, sem que ela possa se defender. Pela pura razão, ninguém se casaria ou teria filhos. Só esse instinto consegue isso. É através dele que estamos em sintonia mais profunda com a alma do mundo. Esse instinto é o que existe de mais espiritual. Todo entendimento e toda consideração racional empalidecem diante da força que atua por detrás desse instinto.

A ordem do amor entre homem e mulher exige portanto, em primeiro lugar, que o homem admita que lhe falta a mulher, e que ele, por si só, jamais poderá alcançar o que uma mulher tem. E exige igualmente que a mulher admita que lhe falta o homem, e que ela, por si só, jamais poderá alcançar o que o homem tem. Então ambos se experimentam como incompletos e admitem isto.

Quando o homem admite que precisa da mulher e que só através dela se torna um homem, e quando a mulher admite que precisa do homem e só através dele se torna uma mulher, então essa carência os liga um ao outro, justamente pelo fato de a admitirem. Então o homem recebe o feminino como presente da mulher, e a mulher recebe o masculino como presente do homem.Imaginem agora um homem que desenvolve em si o feminino e uma mulher que desenvolve em si o masculino, como muitos consideram ideal. Se esse homem quiser se ligar a essa mulher, qual será a profundidade dessa relação? No fundo, eles não precisam um do outro. Inversamente, quando o homem renuncia ao feminino e a mulher ao masculino, então eles precisam um do outro e isto os mantém juntos." Simone Arrojo 
*********
Muitas vezes, na maioria delas eu diria, o pai ou a mãe busca um terapeuta para o filho. Inicialmente faço uma sessão de família com  todos os elementos que a compõe.
A questão que provoca a dificuldade no filho normalmente está nos pais ou em seus emaranhados familiares.
Se a questão é pontual trabalho as sessões com a família intercalando algumas com o filho e  a mudança de postura dos pais é necessária quase sempre.
Se a situação mostra um emaranhado sistêmico indico a Constelação Familiar, onde, através do sistema familiar do cliente, poderemos constatar o que realmente aconteceu. E quando existem relações anteriores ( do pai ou da mãe) que foram mal concluídas, pode-se constatar a influência destes parceiros anteriores como uma manifestação ( no filho) para que a família olhe para esta situação com respeito e amor. Fica visível no sistema familiar o alívio que isso proporciona.
Esta é uma das razões porque sempre indico para os clientes que assistam as Constelações Familiares, mesmo que não venham a fazer uma constelação própria. Podemos fazer mudanças em nossos conceitos só de observar as consequências de determinadas atitudes - como por exemplo - terminar um relacionamento com sentimento de raiva. E é possível concluir algo, mesmo que de forma dolorosa, com respeito.
Venham conhecer as Constelações Familiares e Organizacionais. Neste sábado 28 de março , o grupo estará reunido às 10 horas.
Uma excelente semana à todos vocês.
Tais

2 comentários:

  1. Maria De Fatima Del Castanhel Adaime23 de março de 2015 08:28

    Eu gosto muito do que você escreve.Acabei de tomar leite de arroz no qual aqueceu meu corpo nesta tarde fria de domingo. Tuas palavras aqueceram minha alma. Gratidão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faço com muito carinho a seleção do que publicarei. Que bom que te aqueceu...Gratidão

      Excluir